sábado, maio 31, 2008

Malone está a morrer


Dentro em breve estarei apesar de tudo bem morto finalmente. Talvez para o mês que vem. Será então o mês de Abril ou de Maio. Porque o ano vai pouco adiantado, mil pequenos indícios mo dizem. Pode ser que me engane e que passe ainda o São João ou até o 14 de Julho, festa da liberdade. Que estou eu a dizer, sou capaz de chegar à Transfiguração, sendo como sei que sou, ou à Assunção. Mas não creio, não creio enganar-me quando digo que esses festejos, este ano, se farão sem mim. É o que sinto, sinto-o há já alguns dias, e acredito na minha impressão. Mas em que é que essa impressão é diferente das que me têm enganado desde que nasci? Não, trata-se de um género de pergunta que já não pega, comigo já não pega, já não preciso de pintar. Morria hoje mesmo, se quisesse, bastava fazer um bocadinho de força, se fosse capaz de querer, se fosse capaz de fazer força. Mas mais vale deixar-me morrer, sem apressar as coisas. Já não quero pesar na balança, nem para um lado nem para o outro. Vou ficar inerte e neutro. Será Fácil. O que interessa é só prestar atenção aos sobressaltos. De resto tenho menos sobressaltos desde que aqui estou. Tenho ainda evidentemente acessos de impaciência de vez em quando. Disso é que tenho de me defender agora, durante quinze dias ou três semanas. Sem exagerar é claro, rindo e chorando sossegado, sem me exaltar. Sim, finalmente vou ser natural, sofrerei mais, e depois menos, sem tirar conclusões, ouvir-me-ei menos, não serei frio nem quente, serei morno, morrerei morno, sem entusiasmos. Não me verei morrer, isso falsearia tudo.
1ª Página do livro, Malone Está a Morrer, de Samuel Beckett, Edições Dom Quixote, 2ª edição, Maio de 2003.
Nota: Considerado um dos maiores escritores e dramaturgos do século XX, Samuel Beckett nasceu a 13 de Abril de 1906, na localidade de Foxrock, perto de Dublin, na Irlanda.
Nascido no seio de uma abastada família protestante, não teve uma infância muito feliz e depressa se tornou num jovem infeliz. Inadaptado às regras de uma sociedade que considerava repulsiva, refugia-se na solidão, que faz transparecer em toda a sua obra.
Em 1923 ingressa no Trinity College, de Dublin para fazer a sua formação académica, onde em 1927, se licenciou em línguas modernas, francês e italiano, com uma excelente classificação.
Em 1928, Beckett mudou-se para Paris, onde conheceu James Joyce, e depressa se tornou um seguidor do escritor. Esta amizade será decisiva para a sua carreira literária. Aos 23 anos, escreveu um ensaio em defesa de "Ulisses", a obra-prima de James Joyce, que tinha sido proibida na sua Irlanda natal.
Depois de um estudo sobre Proust, Samuel Beckett, chegou à conclusão que o hábito e a rotina eram o “cancro do tempo”: o tempo, inexorável, ao qual estamos presos. Samuel Beckett, faz questão de nos lembrar, que a cada momento, o fim se aproxima, que a morte espreita, que o jogo irá acabar e nós irremediavelmente, perderemos.
Se temos conhecimento disso, então por que continua-mos à espera? Porquê? Porque devemos saber que enquanto se espera a vida continua e devemos vive-la da melhor forma possível, a cada segundo, compreendendo-a pequena e grandiosa ao mesmo tempo.
Por causa destas conclusões, abandonou o seu cargo no Trinity College e iniciou uma viagem pela Europa, visitando a França, Inglaterra e a Alemanha, onde viveu as mais diversas experiências que depois se traduziram em personagens.
Em 1938 fixou residência em Paris, onde dois acontecimentos o vão marcar para o resto da vida: é gravemente ferido ao ser agredido por um estranho, que lhe desferiu uma facada no peito, e conhece Suzanne Deschevaux-Dusmenoil, o amor da sua vida e com quem se casaria em 1961.
Durante a Segunda Guerra Mundial, Beckett permaneceu em Paris, onde lutou pela Resistência, até que alguns membros o seu grupo foram presos e Beckett foi forçado a refugiar-se, com a sua mulher na zona conhecida como "França Livre", a parte da França que não tinha sido ocupada, pelas tropas nazistas.
Em 1945, regressou a Paris e iniciou o seu período mais prolífico enquanto escritor. No período cinco anos, entre 1948 e 1953, produziu a sua obra mais significativa. Escreveu "Eleutheria" (1948), "À espera de Godot" (1952), e a trilogia, universalmente aclamada como essencial à compreensão da experiência humana, “Molloy” (1951), “Malone está a Morrer” (1951) e “O Inominável” (1953).
O seu primeiro sucesso, chegou, em 1952 com "À Espera de Godot". Apesar das especulações, a pequena peça onde nada acontece, tornou-se num sucesso repentino e um marco no teatro do absurdo. As personagens desta peça, exemplificam a situação do homem encurralado num mundo de rotina: dois vagabundos, Vladimir e Estrabon, indecisos e inertes, esperam em vão a chegada de um personagem enigmático e misterioso, Godot, símbolo do inalcançável, que de um modo inexplicável, melhorará as suas vidas.
Depois do sucesso de "À Espera de Godot", Samuel Beckett dedica-se a traduzir os seus textos para inglês e volta a escrever nesta língua, construindo, um caso raro na Literatura moderna, uma obra bilingue.
As obras de Beckett traduzem com um grande poder de síntese, toda a condição humana. As questões que são necessárias esclarecer dessa condição são amplamente trabalhadas e poeticamente materializadas. Os personagens das suas obras, reflectem a posição do autor em relação à vida, à morte, aos desejos, aos fracassos e à impossibilidade da felicidade.
O reconhecimento crescente do seu trabalho culminaria com o Prémio Nobel da Literatura, em 1969. Depois disso e apesar de ser aclamado a nível mundial, continuou a escrever até à sua morte, que ocorreu em Paris, a 22 de Dezembro de 1989, vítima de enfisema, contra o qual lutou nos últimos três anos, da sua vida.

Super - Homem


O Super-Homem, ícone entre os super-heróis de banda-desenhada, foi publicado pela primeira vez há setenta anos.
Criado por Jerry Siegel (argumento) e Joe Shuster, dois amigos judeus que cresceram juntos em Ohio, o Super-Homem surgiu pela primeira vez, musculado, de capa vermelha e a erguer um carro, a 01 de Junho de 1938 na publicação Action Comics.
Ao longo deste 70 anos, os diferentes autores foram criando novas personagens, como o super-cão, acrescentaram poderes ao super-herói, encenaram a sua morte e confrontaram-no com Batman.
O Super-Homem nasceu no planeta Kryton, com o nome de baptismo Kal-El, e foi enviado para a Terra ainda criança, tendo sido adoptado por uma família do Kansas, que o baptizou de Clark Kent.
Há várias teorias sobre a génese do Super-Homem, mas as mais citadas são o gosto comum dos autores por ficção científica e literatura de cordel e pela personagem Hugo Danner, do livro “Gladiator”, de Philip Gordon Wilie, que tinha capacidades sobre-humanas devido a experiências científicas. Sansão, Hércules, Moisés e Fritz Lang são outras referências que podem ajudar a explicar quem é Super-Homem, cuja identidade oficial - Clark Kent - alegadamente resulta da combinação dos nomes Clark Gable e Kent Taylor. Depois de aprender a dominar os seus super-poderes, como a força desmesurada e a capacidade de voar, o Super-Homem combatia o Mal ao mesmo tempo que se camuflava num emprego num jornal – o Daily Planet.
Qualquer boa história de BD com super-heróis tem que ter um vilão e nas do Super-Homem o mau da fita é Lex Luthor, enquanto Lois Lane entra nas cenas românticas.
Símbolo da cultura popular norte-americana, o Super-Homem rapidamente saltou das páginas das revistas de BD para a rádio, televisão, cinema e jogos de computador.
O sucesso de Super-Homem desencadeou o aparecimento de dezenas de outros super-heróis na banda desenhada, como o Capitão América, Batman e Homem-Aranha. (Lusa).

Linguagem...

Verbal abuse can be just as horrific.

Advertising Agency: Saatchi & Saatchi Singapore
Executive Creative Director: Andy Greenaway
Creative Directors: Richard Copping, Andrew Petch
Art Directors: Ronojoy Ghosh, Ng Pei Pei
Production Manager: Terry Ong
Account Executives: Sandra Teh, Anuja Weeranarayana
Copywriters: Simon Jenkins, Andrew Petch
Photographer: Teo Studios
Retoucher: Kendrick Wong
Art Buyer: Adrel Law

sexta-feira, maio 30, 2008

O Romance Da Minha Vida


Dá-me um café duplo, meu irmão.
Durante dezoito anos o seu espírito repetiu tantas vezes aquela frase, que as palavras acabaram por perder o significado na memória e no paladar, para soarem vazias, como uma palavra de ordem dita num idioma incompreensível. Porque, apesar do esquecimento que tentou impor a si próprio como a melhor alternativa, Fernando Terry sofreu demasiadas vezes aquelas rebeliões imprevisíveis da consciência e, com uma assiduidade incontrolável, dedicou alguns pensamentos ao que desejara sentir no preciso momento em que, depois de beber um café duplo em frente ao cabaret Las Vegas, acendesse um cigarro para atravessar a calle Infanta e descer pela Veinticinco, disposto a reencontrar-se com o melhor e com o pior do seu passado. Da melancolia ao ódio, da alegria à indiferença, do rancor ao alívio, nas suas viagens imaginárias Fernando tinha jogado com todas as cartas da nostalgia, sem pressentir que na manga escura, escondida, podia permanecer aquela tristeza agressiva que se lhe tinha cravado na alma, com uma interrogação: tinhas de voltar?
No início do seu exílio, durante os meses de incerteza vividos numa tenda asfixiante nos jardins do Orange Bowl de Miami, sem saber ainda se obteria a autorização de residência nos Estados Unidos, Fernando tinha começado a pensar num regresso curto mas necessário, que o ajudasse a estancar as feridas ainda sangrentas provocadas por uma traição demolidora e talvez, quem sabe, a curar a sensação vertiginosa de se achar descentrado, foro do tempo e do espaço. Depôs, com o passar dos anos e a persistência da barreira de leis e mediadas que dificultavam qualquer regresso, tinha tratado de se convencer de que o esquecimento era possível, de que podia acabar por ser o melhor dos remédios. Pouco a pouco começou a sentir o seu alívio benéfico e a ânsia do regresso foi-se diluindo até se transformar numa angústia adormecida que, astuciosamente, vinha à tona nalgumas noites insubornáveis quando, na solidão do seu sótão madrileno, o seu cérebro insistia em evocar algum instante dos seus trinta anos vividos na ilha.
1ª Página do livro, O Romance Da Minha Viva, de Leonardo Padura, Asa Editores, 1ª edição, Fevereiro de 2005.
Nota: Depois de dezoito anos de exílio, Fernando Terry decide voltar por algum tempo a Havana, atraído pela possibilidade de encontrar finalmente a autobiografia desaparecida do poeta José María Heredia, ao qual dedicou a sua tese de doutoramento. De passagem, terá oportunidade de esclarecer de uma vez por todas quem foi que o denunciou e provocou a sua expulsão da universidade. Paralelamente à história desse reencontro e à procura do almejado manuscrito, juntam-se, no plano narrativo, dois outros planos temporais: o da vida de Heredia, nos começos do século XIX, quando a ilha era ainda uma colónia, e o dos últimos dias do seu filho, José de Jesús de Heredia, um mação dos princípios do século XX.
Paulatinamente, as vidas dos vários personagens e as suas peripécias vão-se entretecendo em paralelismos inesperados, como se em Cuba a História se intrometesse sempre da mesma maneira no destino individual de todos aqueles que se destacam pelo seu talento: as delações, os exílios, as intrigas políticas acompanham sempre os criadores, seja qual for o período histórico em que lhes tenha caído em sorte viver.(Asa).

Acontece...

Save your life and ours, use a head set.

Advertising Agency: Impact & Echo, BBDO, Kuwait
Creative Director: Viraj Ponkshe
Art Director / Illustrator: Rolando Rodriguez
Copywriter: Regan Rodricks

quinta-feira, maio 29, 2008

O Deus das Moscas


O garoto de cabelo cor-de-mel agachou-se, deixou-se escorregar ao longo do último troço do rochedo e encaminhou-se para a lagoa. Embora tivesse tirado o blusão, parte do seu uniforme escolar, e o arrastasse agora pela mão, a camisa cinzenta colava-se à pele e o cabelo encodeava-se-lhe na testa. À sua volta, a funda clareira rasgada na selva era um banho de calor. Rompia pesadamente por entre as lianas e os troncos quebrados, quando um pássaro, uma visão de vermelho e amarelo, cintilou numa fuga para o alto com um grito de feitiço. A este grito o eco respondeu com outro.
-Eh! – disse uma voz. – Espera um momento!
O matagal, num dos bordos da clareira, agitou-se e uma saraivada de gotas de água caiu com estridor.
-Espera um momento – repetia a voz. – Estou aqui preso.
O garoto de cabelo cor-de-mel abaixou-se e repuxou as peúgas com um gesto automático que fez com que a selva por um momento se parecesse com os condados ingleses.
A voz ouvia-se de novo.
-Nem me posso mexer com todas estas trepadeiras.
O dono da voz emergiu, esbracejando com o restolho alto, de modo que os ramalhos vibraram contra uma pala sebenta. As rótulas nuas dos joelhos eram grossas e tinham sido apanhadas e arranhadas por espinhos. Debruçou-se, tirou cuidadosamente os espinhos e voltou-se. Era mais baixo que o garoto louro e muito gordo. Adiantou-se, buscando piso seguro para os pés, e olhou então através dos óculos de lentes grossas.
1ª Página do livro, O Deus das Moscas, de William Golding, Vega, 1º edição, 1997.

Nota: William Golding (1911-1993), romancista inglês, Prémio Nobel em 1983, nasceu na Cornualha e cursou a Universidade de Oxford, dedicando-se ao estudo da Literatura inglesa. Professor, abandonou a profissão durante a II Grande Guerra, tendo servido na Royal Navy.Depois da Guerra, Golding deu-se à escrita.0 seu primeiro romance, em 1954, O Deus das Moscas (filme de Peter Brook em 1963), foi um sucesso, tendo a crítica internacional considerado a obra como uma das maiores do século XX. Depois deste seu primeiro título (traduzido em todo o mundo culto), Golding escreveu ainda Os Herdeiros (1955), Pincher Martin (1956), Borboleta de Latão (1958) e Queda Livre (1959).Outras obras: Rites of Passage (1980), Close Quarters (1987) e Fire Down Below (1989). Estes romances constituem uma trilogia galardoada com o Booker Prize. Assunto da trilogia: dilemas morais e reacções humanas em situações limite. O mar e a navegação são presenças constantes na sua escrita.Escreveu também vários ensaios - e o seu último romance, The Double Tongue, foi publicado postumamente em 1995. Em 88, foi elevado ao grau de Cavaleiro, juntando ao seu nome o título de Sir. (Vega).

Rã Crucificada


Segundo a BBC, a escultura do artista alemão Martin Kippenberger, chamada “Zuerst die Fusse”, que tem um metro de altura e é feita de madeira pintada de verde, retratando uma rã crucificada, que segura numa das mãos uma caneca de cerveja, e na outra, um ovo, está a receber fortes críticas na cidade italiana de Bolzano, onde está exposta no Museu de Arte Moderna e Contemporânea da cidade, por pretensa ofensa aos católicos.
A escultura serviu como uma espécie de introdução à exposição e foi colocada na entrada do museu. Isso choca os visitantes, na opinião do bispo de Bolzano, Wilhelm Egger. “Hoje, os símbolos da fé cristã são muitas vezes desprezados, mas o respeito pelos símbolos e sentimentos religiosos é fundamental”, afirmou o bispo.
Por sua vez, o governador do Alto Ádige, Luis Durnwalder, foi mais longe e pediu que a escultura fosse retirada da exposição, alegando que a obra representa uma ofensa aos valores católicos.
Acabou tudo em bem, com o acordo entre o governador e a direcção do museu, na qual esta se comprometeu, expor ao lado da escultura, informações que expliquem como a obra foi feita e o seu significado.
Tirando o mau gosto da obra, também não gosto de crucifixos, a obra não me ofende em nada, porém, seria muito grave "crucificar" o artista pela sua criação.

Amnistia Internacional:O Mundo


Clicar na imagem para aumentar.

Advertising Agency: Leo Burnett, Lisbon, Portugal
Creative Directors: Chacho Puebla, Joao Roque
Art Director: Ricardo Toledo
Copywriters: Chacho Puebla, Bruno Ribeiro
Illustrator: Mico

quarta-feira, maio 28, 2008

AUSTERLITZ


Durante a segunda metade dos anos 60, em parte por motivos de estudo, em parte por outros que eu próprio não descortino bem, viajei amiúde entre a Inglaterra e a Bélgica, umas vezes por um ou dois dias, outras várias semanas. Numa destas excursões à Bélgica que, assim me parecia, me levavam cada vez mais longe em terra alheia, fui parar, numa gloriosa manhã do princípio do Verão, à cidade de Antuérpia, que até então apenas conhecia de nome. Logo à chegada, enquanto o comboio deslizava lentamente pelo viaduto rematado de ambos os lados por umas curiosas torrezinhas aguçadas e entrava no vão escuro da estação, fui tomado de um mal-estar, uma sensação de incómodo que não mais me largou durante todo o tempo dessa minha visita à Bélgica. Recordo ainda a insegurança dos passos com que dei uma volta pelo centro da cidade, percorri Jerusalemstraat, Nachtegaalstraat, Plikaanstraat, Paradijstraat, Immerseelstraat e muitas outras ruas e vielas, e que, por fim, afligido por uma dor de cabeça e pensamentos desagradáveis, me refugiei no jardim zoológico, perto de Astriplein, ao lado da Centraal Station. Por ali fiquei, aver se me sentia um pouco melhor, sentado num banco meio à sombra junto a um aviário onde esboaçavam numerosos tentilhões e pintassilgos. Enquanto a tarde foi passando deambulei pelo parque e acabei por ir ver o Nocturama, aberto apenas há um par de meses. Foi preciso algum tempo para que os olhos se adaptassem àquela penumbra artificial e eu pudesse reconhecer os diversos animais que levavam vidas obscuras por trás da vidraça, a uma pálida luz lunar. Já não sei quais foram os animais que vi nessa visita ao Nocturama de Antuérpia.
1ª Página do livro, Austerlitz, de W.G. Sebald, Editorial Teorema, 1ª edição Setembro de 2004.

Nota: A morte prematura de W.G. Sebald foi uma perda irreparável para a literatura contemporânea. W. G. Sebald, morreu tragicamente em Dezembro de 2001, de ataque cardíaco, depois de sofrer um acidente de viação, numa rua da cidade inglesa de Norwich. Nascido em Wertach im Allgäu, na Alemanha, em 1944, estudou Língua e Literatura Alemãs em Freiburg, na Suiça e em Manchester. A partir de 1970 ensinou na Universidade de East Anglia, em Morwich, tornando-se professor de Literatura Europeia, em 1987. Deixou um legado pouco volumoso em quantidade, apenas quatro obras de ficção, e não digo romances, pois é extremamente difícil classificar o género literário, da obra de W.G. Sebald.
Mas, independentemente da dificuldade que os estudiosos têm de rotular a obra de Sebald, este seu livro, Austerlitz, é provavelmente o melhor romance escrito no século XXI.

Portugal na Lista Negra da AI


No relatório, deste ano da Amnistia Internacional (AI), Portugal volta a ser citado, devido à violência contra as mulheres e aos maus-tratos da polícia. De acordo com o relatório da AI, 39 mulheres foram mortas pelos cônjuges durante o ano de 2006.
Melhor dizendo, 39 mulheres foram mortas pelos covardes que viviam com elas. Estas 39 vítimas mortais são apenas a ponta do iceberg, dessa praga social, que é a violência doméstica.
Sobre os alegados maus-tratos da polícia, o documento afirma que, em Portugal, “as alegações de maus-tratos por parte da polícia e subsequente impunidade dos envolvidos persistiram durante o ano de 2007”.
Não é nada de novo, tal é a frequência, deste abuso de autoridade, com resquícios de outras eras, na polícia portuguesa
Num universo de 150 países, a que se refere o relatório da AI, 81 continuam a usar a tortura ou a maltratar pessoas. No ano em que se comemora 60 anos da adopção da Declaração Universal dos Direitos Humanos, a Amnistia Internacional desafia os líderes mundiais a pedirem desculpa e a assumirem novos compromissos.

terça-feira, maio 27, 2008

O Cão Amarelo


Mas eu vou para Hollywood mas eu vou para o hospital, mas tu és primeiro mas tu és último, mas ele é alto mas ela é baixa, mas tu ficas em cima mas tu vais para baixo, mas nós somos ricos mas nós somos pobres, mas eles têm sossego mas eles têm…
Xan Meo foi ao Hollywood. E minutos depois, à velocidade da urgência e acompanhado pelos acordes estridentes do sofrimento electrificado, Xan Meo foi para o hospital. Por causa da violência masculina.
-Vou sair, eu – disse ele à sua esposa americana, Russia.
-Uh – disse ela, pronunciando como onde em francês.
-Não demoro. Eu dou-lhes banho. E também lhes leio uma história. Depois faço o jantar. A seguir ponho a louça na máquina. E a seguir dou-te uma boa massagem nas costas. Está bem assim?
-Posso ir também? – perguntou Russia.
-Acho que me apetece estar sozinho.
-Queres é ficar sozinho com a tua namorada.
Xan sabia que a acusação não era a sério. Mas odoptou uma expressão de agravo (um espessamento da fronte) e disse, não pela primeira vez e, tanto quanto sabia, com sinceridade: - Não tenho segredos para ti, pequena.
-Mm – disse ela oferecendo-lhe a face.
-Não sabes que dia é hoje?
-Oh. Claro.
O casal ficou a abraçar-se no pé-direito duplo da entrada. Depois o marido, com um movimento do braço, fez tilintar as chaves no bolso. A sua intenção semiconsciente foi mostrar impaciência por sair. Xan não concordaria publicamente, mas as mulheres gostam, por natureza, de prolongar as rotinas de partida. É o reverso do seu gosto por deixar pessoas à espera. Os homens não deviam importar-se com isso. Ser deixado à espera é uma compensação moderada pelos seus cinco milhões de anos no poder… Xan suspira agora baixinho e mais acima baixinho rangem escadas. Descia uma figura complexa, normal até à cintura mas com duas cabeças e quatro braços: a filha mais pequena de Meo, Sophie, colada ao flanco de Imaculada, a sua ama brasileira. Por trás delas, a uma distância ao mesmo tempo sonhadora e auto-suficiente, espreitava a de quatro anos, Billie.
1ª Página do livro, O Cão Amarelo, de Martin Amis, Editorial Teorema, 1ª edição, Agosto de 2004.

Nota: Martin Amis nasceu em Oxford, Inglaterra, a 25 de Agosto de 1949. Filho do escritor Kingsley Amis, autor vencedor de um Booker Prize.
Amis passou grande parte da sua juventude em Swansea, onde o seu pai leccionava. Mais tarde passou um ano em Princeton, antes de regressar a Inglaterra e depois em Cambridge. Aos 12 anos, depois do divórcio dos seus pais, Amis passou o ano seguinte na Ilha de Maiorca, Espanha, com a sua mãe e irmãos.
No anos seguinte regressou a Inglaterra, onde recebeu um papel para o filme A High Wind in Jamaica, ficando impedido de regressar à escola. Depois de a madrasta, a romancista Elizabeth Jane Howard, o introduzir às obras de Jane Austen, começou a preparar os requisitos de admissão para a Universidade de Oxford.
Em 1971, licenciou-se em Inglês com lugar no quadro de honra. Em 1971, recebeu uma proposta para crítico literário para o jornal London Observer e, nos oito anos seguintes, ocupou cargos editoriais em jornais como London Times Literary Supplement, New Statesman e London Observer, onde ocupou uma posição de escritor a partir de 1980.
Em 1980, depois de publicar três romances e vendido um argumento, Amis demitiu-se da sua posição editorial no New Statesman para escrever a tempo inteiro, apesar de continuar a publicar não-ficção em Inglaterra e América, incluindo críticas no Observer, The London Review of Books e New York Times Book Review.
As suas obras caracterizam-se pelo seu acerbado humor negro, incluindo-se entre elas The Rachel Papers (1973), um livro de memórias da adolescência contadas através de flashbacks, Dead Babies (1975), que trata a decadência e o sadismo, Money (1984), London Fields (1989), Time’s Arrow (1991), um romance muito apreciado que fala sobre os campos de morte nazis, Água Pesada (1999) e Experiência (2000), uma autobiografia do escritor, The War Against Cliché (2001), Koba o Terrível (2002), On Modern British Fiction (2002), O Cão Amarelo (2003), Vintage Amis (2003), House of Meetings (2006) e The Pregnant Widow (2007).
Recebeu os prémios: Somerset Maugham Award (1974) pela obra The Rachel Papers e James Tait Black Memorial Prize (para biografia) (2000) pela obra Experiência. (Fontes:Wikipédia e Biblioteca Universal).

Sydney Pollack


O realizador, produtor e actor Sydney Pollack morreu ontem na sua casa de Pacific Palisades, em Los Angeles, Califórnia. O realizador de “África Minha” e “Tootsie” tinha 73 anos e lutava há dez meses contra o cancro.
Sydney Pollack que era considerado por muitos o último grande realizador romântico de Hollywood, nasceu a 1 de Julho de 1934, em Lafayette no estado norte-americano do Indiana, era o mais velho de três filhos de David Pollack, um ex-pugilista profissional que depois se tornou farmacêutico, e Rebecca Miller, uma dona de casa, que morreu aos 37 anos, quando Pollack tinha apenas 16 anos. Contra a vontade do pai, que queria que ele fosse dentista, Pollack mudou-se para Nova Iorque, após terminar o liceu, para se tornar actor. De 1952 a 1954, estudou com Sanford Meisner, na Neighborhood Playhouse School of the Theatre, tornando-se de seguida, o assistente do professor.Depois de dois anos na tropa, voltou para Neighborhood Playhouse e continuou a dar aulas. Em 1958, casou-se Claire Griswold. Sydney Pollack começou a sua carreira no teatro, e ganhou fama como realizador de Televisão na década de 60. A sua estreia como actor aconteceu em 1962 no filme "Obsessão de Matar", ao lado de Robert Redforfd.
Apesar de ter começado como actor, foi na realização que Sydney Pollack mais se destacou. Para os amantes de cinema, Sydney Pollack ficará para sempre, ligado à adaptação para cinema do romance de Karen Blixen, África Minha, filme que fez contracenar Robert Redford e Meryl Streep e que em 1986, de 11 nomeações para as estatuetas douradas, arrebataria sete Óscares, entre os quais os de Melhor Realizador e de Melhor Filme.
Três anos antes, em 1983, já havia sido indicado para a estatueta de melhor realizador com o inesquecível “Tootsie”, filme superiormente protagonizado por Dustin Hoffman. “The Way We Were” (1973), com Robert Redford e Barbra Streisand é outro dos seus grandes sucessos comerciais.
Com o realizador britânico Anthony Minghella, que desapareceu em Março passado, Sydney Pollack mantinha a produtora Mirage Enterprises, etiqueta com que saiu o seu último trabalho, o documentário “Sketches of Frank Gehry”, de 2007. Em Agosto do ano passado, o realizador apresentou os primeiros sinais de que tinha cancro, abandonando o projecto de um documentário sobre as presidenciais americanas, mais particularmente sobre o caso da recontagem de votos na Flórida, que estava a filmar para a televisão HBO.
Até, sempre.

segunda-feira, maio 26, 2008

A Estrada


Quando acordava nos bosques, na escuridão e no frio, estendia a mão para tocar na criança que dormia a seu lado. Noites de trevas mais densas do que as próprias trevas e cada dia mais cinzento do que anterior. Como os primórdios de um glaucoma frio a obscurecer o mundo. A mão subia e descia suavemente a cada fôlego precioso. Afastou o oleado de tela plástica e soergueu-se sob as vestes e cobertores malcheirosos e olhou para leste em busca de qualquer luz, mas nada viu. No sonho de que despertara tinha penetrado numa gruta onde a criança o conduzira pela mão. A luz que traziam brincava sobre as paredes húmidas de calcário ali depositado pelo escorrer da água. Como peregrinos numa fábula, engolidos por um monstro granítico em cujas entranhas se haviam perdido. Fundos canais de pedra onde a água gotejava melodiosamente, como sinos a dobrar no silencia para assinalar os minutos da terra e as horas e os dias da terra e os anos incessantes. Até que chegaram a uma grande sala de pedra onde havia um lado negro e antiquíssimo e, na margem oposta, uma criatura que ergueu a boca gotejante do rebordo calcário e fitou a luz com olhos brancos e sem vida e cegos como ovos de aranha. O animal baixou a cabeça sobre a água e agitou-a, como que a farejar o que não conseguia ver. Ali agachado, pálido e nu e translúcido, com os ossos de alabastro projectados em sombras nas rochas atrás de si. As vísceras, o coração a bater. O cérebro que pulsava numa campânula de vidro baço. Agitou a cabeça para um lado e para o outro e depois soltou um gemido surdo e deu meia volta e afastou-se em passo trôpego até se eclipsar nas trevas sem ruído.
Com a primeira luz cinzenta ele levantou-se e deixou o rapaz a dormir e caminhou até à estrada e acocorou-se e perscrutou a paisagem que se estendia para sul. Estéril, silenciosa, maléfica. Parecia-lhe que estavam no mês de Outubro, mas não tinha a certeza. Há anos que deixaram de contar os dias por um calendário. Iam para sul. Nunca conseguiriam sobreviver a outro Inverno naquele lugar.
1ª Página do livro, A Estrada, de Cormac McCarthy, Relógio D’Água Editores, Março 2007, sem número de edição.

Nota:Num mundo pós-nuclear, Cormac McCarthy, narra-nos a história de sobrevivência de um pai e de um filho através da América, numa linguagem crua e despojada de qualquer romantismo para com a humanidade.
Segundo o Jornal inglês, The Observer, deveremos ler o livro como “uma meditação sobre a morte”: a morte individual e num sentido mais lato, a meditação sobre o fim apocalíptico da humanidade. Com este romance, Cormac McCarthy arrecadou o Prémio Pulitzer de 2007.
Cormac McCarthy nasceu em Rhode Island, a 20 de Julho de 1933. Na juventude, serviu à Força Aérea dos Estados Unidos durante quatro anos, e estudou Artes na Universidade do Tennessee. Em 40 anos de carreira literária, editou nove romances, entre eles, O Filho de Deus, Meridiano de Sangue, Este País Não é Para Velhos e este, A Estrada.
O escritor é considerado nos últimos anos como um dos grandes nomes do romance contemporâneo norte-americano, ao lado de nomes, como Don DeLillo, Philip Roth e Thomas Pynchon.

domingo, maio 25, 2008

Fartar, Vilanagem!


Está a ser divulgado, por suporte electrónico, e-mail, sms e internet, a convocação de um boicote ao roubo, perpetrado pelas grandes petrolíferas a operar em Portugal.
A mensagem é explícita e diz: nos próximos dias 1, 2 e 3, de Junho, não abasteça nos postos da Galp, da BP e da Repsol.
O secretário-geral da OPEP, diz que o mercado está maluco, que não há falta de petróleo e que não se justificam preços destes. É o próprio lobo, a reconhecer a espiral de loucura, a que chegou o preço do petróleo.
Por sua vez, o presidente da ANAREC, a associação que representa os revendedores dos combustíveis, Augusto Cymbron, afirmou, sem que alguém o tenha desmentido, que as petrolíferas a actuar em Portugal, têm contratos firmados para o ano de 2009, ao preço de 54 euros, aproximadamente 84 dólares/barril. Atenção! Preço para o próximo ano.
Obviamente, compraram o petróleo que estão a vender este ano, muito mais barato.
Porque, é que as televisões anunciam diariamente o aumentam do preço do barril do petróleo, como se esse preço, fosse para consumo no dia seguinte?
Seria de utilidade pública, saber para que data de entrega, estão as petrolíferas a comprar, no mercado de futuros, o barril de petróleo a 120/130 dólares.
Como cidadãos conscienciosos, temos que combater este "fartar vilanagem" em que se transformou os aumentos dos combustíveis e o enriquecimento ilícito do Estado e das companhias petrolíferas à custa do cidadão e do contribuinte.
As alternativas são resmas!

sexta-feira, maio 23, 2008

Alá Não É Obrigado


Decido o título definitivo e completo do meu blablabla que é Alá não é obrigado a ser justo em todas as coisas desta Terra. E pronto. Começo a contar as minhas baboseiras.
E, para começar…e um…Chamo-me Birahima. Sou um p’tit négre. Não por ser black e miúdo. Não! Sou p’tit négre porque falo mal francês. É assim. Mesmo quando se é grande, mesmo velho, mesmo árabe, chinês, branco, russo, mesmo americano; quando se fala mal francês diz-se sempre que se fala p’tit négre. Isso é a lei do francês de todos os dias que assim decreta.
…E dois… A minha escola não foi lá muito longe; cortei com o curso elementar dois. Deixei o banco porque toda a gente diz que a escola não vale nada, nem sequer o peido de uma avó velha (é assim que se diz em preto negro africano indígena quando uma coisa não vale nada. Diz-se que não vale o peido de uma avó velha porque o peido da avó lixada e magricela não faz barulho e não cheira assim muito, muito mal). A escola não vale o peido da avó porque, mesmo com o diploma da universidade, não se consegue ser enfermeiro ou professor primário em nenhuma das repúblicas bananeiras corrompidas da África francófona. (República bananeira quer dizer aparentemente democrática mas, na verdade, governada por interesses privados, pela corrupção.) Mas mesmo frequentar o curso elementar dois não é forçosamente autónomo e mirífico. Fica-se a saber alguma coisa, mas não o suficiente; ficamos a parecer-nos com aquilo a que os pretos negros africanos indígenas chamam uma panqueca tostada dos dois lados. Já não somos aldeões, selvagens como os outros pretos negros africanos indígenas: ouvimos e compreendemos os negros civilizados e os toubabs, tirando os ingleses e os americanos pretos da Libéria. Mas ignoramos geografia, gramática, conjugações, divisões e redacção; não conseguimos ganhar o dinheiro facilmente como agente do Estado numa república lixada e corrompida, como a Guiné, a Costa do Marfim, etc., etc.
…E três…sou insolente, incorrecto como a barba de bode e falo como um sacanete. Não digo, como os pretos negros africanos indígenas muito engravatados: merda! Raios! Safado! Sirvo-me de palavras malinké, como faforo! (Faforo quer dizer sexo do meu pai ou do pai ou do teu pai). Como gnamokodé! (Gnamokodé quer dizer bastardo ou bastardia). Como Walahé! (Walahé quer dizer em nome de Alá.) Os Malinkés é a minha raça. É o tipo de pretos negros africanos indígenas que são numerosos no Norte da Costa do Marfim, na Guiné e noutras repúblicas bananeiras e lixadas como a Gâmbia, a Serra Leoa e o Senegal lá longe, etc.
1ª Página do livro, Alá não é obrigado, de Ahmadou Kouroma, ASA Editores, 1ª edição, Setembro de 2004.

NOTA:Neste livro, Ahmadou Kouroma (Costa do Marfim 1927 – França 2003) , narra-nos pela boca de uma criança de onze anos, o menino soldado Birahima, a terrível realidade que assola o continente africano: as alianças entre chefes de Estado e o mundo do crime, a corrupção generalizada, as dificuldades nas Nações Unidas actuarem no terreno, os desvios das ajudas humanitárias enviadas pelas organizações não governamentais, e a terrível situação dos meninos soldados.
O número de crianças a participar directamente em combate é difícil de quantificar, mas segundo a organização não governamental britânica Human Rights Watch, existem entre 200 mil e 300 mil meninos soldados, que participam actualmente em guerras em 21 países em todo o mundo. Metade destes meninos soldados encontram-se em África, onde lutam mais de 100 mil crianças, mas também podem ser encontrados, na guerrilha maoísta do Nepal, no grupo terrorista Farc, na Colômbia, na Palestina, no Sudão ou no Mianmar, onde o recrutamento é legal a partir dos 12 anos.
A imagem tipicamente africana do menino com uma Kalashnikov nas mãos, que se encontra na capa do livro, não é representativa de todos os meninos soldados. Muitos dos meninos soldados, fazem o trabalho que militarmente é destinado à companhia de serviços, como cozinhar, lavar etc. Outros são usados como escravos sexuais, não havendo distinção no sexo. Outros ainda servem para fazer a desminagem de campos de minas ou para os minar. Segundo números da Organização das Nações Unidas, desde de 1987, cerca de dois milhões de crianças morreram em combate e este número não inclui, os mortos da guerra Irão/Iraque, que no seu final, era mantida principalmente por adolescentes. Assiste-se actualmente a uma grande pressão internacional, por parte de algumas organizações não governamentais, para terminar com a prática de recrutar meninos soldados, mas este movimento, está apenas no princípio.

Cigarro Mata Mais

Cigarettes kill more
Advertising Agency: F/Nazca Saatchi & Saatchi, Brazil
Executive Creative Directors: Fabio Fernandes, Eduardo Lima
Creative Director: Fabio Fernandes, Eduardo Lima
Copywriters: Ricardo Jones, Eduardo Lima
Art Director: Airton Carmignani
.
Sou fumador, mas não resisti a publicar esta excelente publicidade.

Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal


Quando vi em 1982 o filme, Indiana Jones e os Salteadores da Arca Perdida, tinha dezassete anos, hoje um dos meus filhos, é mais velho do que eu era nessa altura. Os olhos são os mesmos, mas a visão do filme é diferente porque se perdeu a inocência da adolescência. O tempo passou, perdeu-se a inocência da juventude, mas continuo a gostar de um bom filme de aventuras e este, Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, é um excelente filme de aventuras. O filme é o mais infanto-juvenil da saga Indiana Jones, ideal para ver com toda a família, como foi o caso.
Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal trouxe de volta ao grande ecrã o Dr. Jones, após 19 anos de ausência. Com ele, voltaram as perseguições alucinantes, os diálogos inspirados, e a combinação de humor e suspense, que deixam o espectador colado à cadeira.
Regresso mundialmente aguardado, o filme garante duas horas de acção e diversão.

Os Russos, Não Se Divertem!


Os comunistas de São Petersburgo manifestaram-se indignados pela estreia na Rússia do filme de Steven Spielberg “Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal”, considerando que este visa “provocar uma onda de anti-sovietismo”.
Para os comunistas da segunda maior cidade russa, o filme tem por objectivo “criar na juventude moderna uma ideia deturpada da política externa soviética da URSS nos anos 50 do séc. XX”.
“Vincamos decididamente a nossa profunda indignação face à estreia na Rússia do filme provocação, resíduo da guerra-fria, pasquim nojento: o filme de Steven Spielberg, Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal”, lê-se num comunicado distribuído à imprensa pelos comunistas.
Segundo os seguidores de Marx, Lenine e Estaline, “o filme apresenta, de forma caricatural e feia, as acções dos soldados soviéticos e dos nossos serviços secretos, que são cínica e cruelmente liquidados pelo super-herói americano Indiana Jones”.
“Semelhantes invencionices formam, na nova geração de russos, disposições decadentes, falta de confiança no poderio do seu país, adoração dos Estados Unidos”, acrescentam.
Os comunistas de São Petersburgo também manifestam perplexidade pelo facto de esse filme ter sido adquirido para exibição na Rússia. “Lançamos um apelo aos espectadores para assobiar o filme durante a estreia nas salas de cinema de São Petersburgo e enviar cartas de protesto aos fantoches do imperialismo: Harrison Ford e Cate Blanchett”, sublinham os marxistas-leninistas.(Lusa).

Bonnie e Clyde


Fotografia da Granger Collection.
No início dos anos 30, com a Depressão no seu auge, muitos anti-heróis assumiram a personagem de Robin dos Bosques e os seus golpes eram frequentemente imitados. O par criminoso favorito da América foi constituído por Bonnie Parker e Clyde Barrow, aqui numa pose para a fotografia.

O Assassinato de Bonnie e Clyde


No dia 23 de Maio de 1934, os dois criminosos norte-americanos mais procurados na época, Bonnie e Clyde, foram mortos num tiroteio com a polícia do Estado de Louisiana.
Clyde Chestnut Barrow, nasceu em Teleco, no Texas, em 1909, e começou a carreira criminosa aos 16 anos, com pequenos furtos de lojas, seguindo-se assaltos a residências e o roubo de carros.
Bonnie Parker nasceu em 1910. Aos 18, já tinha um casamento fracassado. Na escola, tinha sido premiada várias vezes por escrever poesias e peças de teatro. Os dois conheceram-se em 1930, provavelmente na casa de um amigo comum. A partir daí, começou a carreira criminosa do duo Bonnie e Clyde.
O seu Barrow Gang era sinónimo de brutalidade impiedosa, mas também vista como um sinal de revolta contra a miséria, em tempos da Depressão. Os assaltos a bancos e a postos de gasolina sucederam – se, até que em 1932 houve o primeiro assassinato. A polícia norte-americana começou , então, a não dar tréguas ao gang, que entrou em fuga permanente, roubando cada vez mais e cada vez mais fortemente armado. Seguiram-se 14 assassínios e várias fugas espectaculares dos cercos da polícia. Todo o país acompanhava, pelos jornais e pela televisão, os passos do bando.
No começo do ano de 1934, Bonnie e Clyde libertaram três companheiros do gang da prisão. Foi, então, que o director dessa prisão, Frank Hamer, lhes armou a cilada mortal.
Frank Hamer contactou o pai de Henry Methvin, um dos rapazes do gang prometendo impunidade, se este colaborasse na prisão da dupla. O pai de Henry Methvin, simulou uma avaria no camião dele, que obrigou Bonnie e Clyde a pararem, para o ajudarem. Quando saíram do carro, para ajudar o ancião, foram recebidos com uma barreira de fogo, feito por seis franco-atiradores, que os mataram. Terminava assim, a carreira do par de criminosos que com o seu talento para fugir à polícia e com o romance entre os dois, fascinou os americanos de então.

quarta-feira, maio 21, 2008

Futebol Contra o Racismo (II)

FASCISMO E FUTEBOL NÃO COMBINAM.
.
Agency: CLM/BBDO, Paris, France
Creative Directors: Jean-François Sacco, Gilles Fichteberg
Copywriter: Matthieu Barrère
Art Director: Raphaël Ghisalberti

terça-feira, maio 20, 2008

Ácido Sulfúrico


Chegou o momento em que já não lhes bastava o sofrimento dos outros; precisavam de assistir ao espectáculo.
Para se ser preso, não era necessária nenhuma qualificação. As rusgas produziam-se por toda a parte: levavam toda a gente, sem possibilidades de derrogação. O único critério era tratar-se de um ser humano.
Naquela manhã, Pannonique fora passear ao Jardim dês Plantes. Chegaram os organizadores e passaram o parque a pente fino. A jovem deu consigo num camião.
Foi antes da primeira emissão: as pessoas ainda não sabiam o que ia acontecer-lhes. Indignavam-se. Na estação de caminhos-de-ferro, comprimiram-nas dentro de um vagão para animais. Pannonique viu que estavam a ser filmados: iam escoltados por várias câmaras que não perdiam pitada da angústia dos prisioneiros.
A rapariga compreendeu então que não lhe serviria de nada revoltar-se, mas seria telegénico. Permaneceu, portanto, impassível durante a longa viagem. À sua volta, crianças choravam, adultos vociferavam, velhos sufocavam.
Desembarcaram-nos num campo semelhante aos de deportação nazi, afinal não muito antigos, com uma notória diferença: havia câmaras de vigilância instaladas por toda a parte.

Não era necessária nenhuma qualificação para ser organizador. Os chefes mandavam desfilar os candidatos e seleccionavam os que apresentavam “os semblantes mais significativos”. Em seguida, tinham de responder a questionários sobre comportamento.
Zdena, que nunca na vida ficara aprovada num exame, foi aceite. Daí nasceu um grande orgulho. Doravante, poderia dizer que trabalhava na televisão. Aos vinte anos, sem estudos, um primeiro emprego: os seus familiares iam finalmente deixar de escarnecer dela.
Explicaram-lhe os princípios da emissão. Os responsáveis perguntaram-lhe se a chocavam:
-Não. É intenso – respondeu ela.
Pensativo, o caça-talentos disse-lhe que era exactamente assim.
-É o que as pessoas querem - acrescentou ele. – Acabou-se o estilo amaneirado, afectado.
A rapariga submeteu-se a outros testes nos quais provou ser capaz de agredir desconhecidos, gritar insultos gratuitos, impor a autoridade, não se deixar impressionar por lamúrias.
- O que conta é o respeito do público – declarou um responsável.
- Nenhum espectador merece o nosso desprezo.
Zdena concordou.
Foi-lhe atribuído o posto de kapo.
- Chamar-lhe-ão kapo Zdena – disseram-lhe.
Agradou-lhe o termo militar.
- Tens jeito, kapo Zdena – reconheceu ela perante o seu reflexo no espelho.
Já nem se apercebia de que estava sempre a ser filmada.

Os jornais já só falavam deste assunto. Os editoriais inflamaram-se, as boas consciências indignaram-se.
O público, esse, pediu que lhe dessem mais do mesmo, logo após a primeira emissão. O programa, que se chamava sobriamente Concentração, atingiu recordes de audiência. Nunca se vira o horror de forma tão directa.
1ª Página (um pouco mais) do livro Ácido Sulfúrico, de Amélie Nothomb, Edições ASA, 1ª edição Maio de 2007.
Nota: O livro de Nothomb parte da criação de um novo reality show, Concentração, o qual reproduz as condições que se vivia nos campos de concentração nazistas, onde impera a violência gratuita, os maus-tratos, a fome, os trabalhos forçados e a desumanizaço dos concorrentes, excepto, que por todo o lado estão instaladas câmaras de televisão, que transmitem todas as cenas, para um público interessado na violência kafkiana.
Os concorrentes forçados deste reality show são encontrados nas ruas de Paris e daí conduzidos em vagões para animais para o estúdio que, reproduz as condições de campo de concentração. A ordem no campo de concentração é mantida por kapos, escolhidos entre os mais imbecis e ineptos da sociedade.
O programa alcança instantaneamente um sucesso sem precedentes na televisão e atinge o seu clímax semanalmente, quando os telespectadores usam o televoto, para decidirem, qual dos concorrentes deve ser executado sumariamente.
A escritora belga Amélie Nothomb criou neste livro uma sátira violenta às degradantes tendências televisivas actuais, especialmente ao telelixo dos reality shows e também, um ataque a uma sociedade, em que o sofrimento extremo é reconvertido num espectáculo de sucesso. A nossa sociedade.

segunda-feira, maio 19, 2008

uma segunda juventude


ELE OUVIU TOCAR OS SINOS DA MITROPOLIE e então lembrou-se de que era noite de Páscoa. E subitamente a chuva, aquela chuva sob a qual ele andava desde que saíra da estação de comboios e que ameaçava tornar-se torrencial, pareceu-lhe normal. Ele avançava num passo rápido, abrigado debaixo do seu guarda-chuva, com as costas curvadas e os olhos baixos, tentando não se molhar demasiado. Depois, mesmo sem se dar conta, começou a correr, com o guarda-chuva diante do peito, como um escudo. Teve, porém, de parar vinte metros mais à frente, no sinal vermelho. Enquanto esperava, saltitava nervoso, punha-se na ponta dos pés, mudava de lugar, observava consternado as poças que, a alguns passos dele, cobriam uma boa parte da avenida. O sinal vermelho apagou-se e, um segundo mais tarde, a explosão de luz branca, incandescente, agitava-o brutalmente, cegava-o. Como se um ciclone abrasador explodisse, de uma forma incompreensível, no cimo da sua cabeça e a aspirasse. “O relâmpago não caiu muito longe”, disse para si próprio piscando penosamente os olhos a fim de descolar as pálpebras. Ele não compreendia por que razão segurava com tanta força o cabo do guarda-chuva. A chuva redobrava de violência, assaltava-o por todos os lados e, no entanto, ele não sentia nada. Ouviu de novo os sinos da Mitropolie, e depois os de todas as outras igrejas, e, muito próximo, um carrilhão solitário e desolado. “Tive medo!”, pensou. Ele tremia. “É por causa da água”, disse para consigo alguns instantes mais tarde ao aperceber-se de que estava caído no chão, na valeta. “Estou a apanhar frio…”
Então ouviu aquela voz ofegante, uma voz de homem aterrorizado:
- Eu estava lá quando o relâmpago o atingiu. Não sei se ainda está vivo. Eu olhava precisamente para onde ele estava, na borda do passeio, e vi-o pegar fogo da cabeça aos pés, e começou tudo a arder ao mesmo tempo: o guarda-chuva, o chapéu, as roupas. Se não fosse a chuva, ele teria ardido como uma tocha… Não sei se ainda estará vivo – repetiu.
1ª Página do livro, uma segunda juventude, de Mircea Eliade, Bico de Pena, 1ª edição Março de 2008.
Nota: Uma Segunda Juventude, conta-nos a história de Dominic Matei, um respeitado académico, professor de linguística, filósofo e historiador com 70 anos. Apesar do seu sucesso académico, é um homem infeliz e amargurado com a vida, por ter perdido o seu grande amor, Laura, devido á investigação académica. Este desespero leva-o a encetar uma viagem a Bucareste com o intuito de se suicidar.
Contudo, uma dramática e incrível fatalidade, ocorre quando ele é, fulminado por um relâmpago e sobrevive miraculosamente
No hospital, enquanto recupera, os médicos assistem com incredibilidade ao rejuvenescimento físico do professor, acompanhado por um desenvolvimento intelectual inexplicável que chama a atenção de cientistas nazis, obrigando o professor a exilar-se. Em fuga, Matei reencontra Laura, o seu amor perdido, reencarnada como Veronica e luta para terminar a sua tese sobre as origens da linguagem humana. Mas quando a sua pesquisa ameaça a existência de Veronica, Matei é forçado a escolher entre o trabalho de uma vida ou o seu grande amor.

Para Reflectir


Every year 1 million five-day old calves are slaughtered to supply the veal market. Please reconsider your order of veal products.www.animal-lib.org.au
Advertising Agency: Ideaworks, Australia
Art Director / Copywriter: Kevin Bathman
Photographer: Animal Liberation

domingo, maio 18, 2008

Angola É Gerida Por Criminosos (Parte 1 e 3/4)


Ontem, ao ler a revista o “Courrier Internacional”, do mês de Maio, encontrei no seu interior esta publicidade, a anunciar a conferência “Futuro Sustentável”, realizada, como toda a gente sabe, em Lisboa no dia 6 de Maio. Tive que sorrir e rir.
O almoço-conferência, tinha como título, Making a Difference”, e no panfleto, faz-se uma propositada menção para que se, VENHA FAZER A DIFERENÇA, apesar de cobrarem 250 euros por pessoa.
É ponto mais que assente, que quem paga 250 euros para almoçar e ouvir um ex. músico a falar, esteja com alguma predisposição, para fazer a "tal" diferença.
Não sei quanto pagaram a Bob Geldof, para ele fazer a conferência, no entanto, quer o BES quer o Expresso, deviam estar satisfeitos com a intervenção de Geldof.
Cada palavra proferida valeu cada Euro (ou Libras) que lhe pagaram, para além, de ter sido honestíssimo para com os anfitriões:

Asfixia


Se vais ler isto, não te maces.
Ao fim de um par de páginas, não vais querer estar aqui. Por isso, esquece. Sai enquanto ainda estás inteiro.
Salva-te.
Tem de haver qualquer coisa melhor na televisão. Ou, uma vez que tens tanto tempo livre, talvez pudesses tirar um curso à noite. Tornares-te médico. Podias fazer qualquer coisa boa para ti. Oferecer a ti próprio um jantar fora. Pintar o cabelo.
Não estás a ficar mais jovem.
O que acontece aqui, primeiro, vai chatear-te. Depois, vai ficando cada vez pior.
O que vais ter aqui é uma história estúpida sobre um rapazinho estúpido. Uma estúpida história verdadeira sobre ninguém que alguma vez te tenha apetecido conhecer. Imagina este idiotazinho que te deve dar pela cintura, com uma mão-cheia de cabelo louro, penteado com risco ao lado. Imagina o pieguinhas do pequeno merdoso nas fotografias antigas da escola, sem alguns dos dentes de leite e com os primeiros dentes de adulto a nascerem tortos. Imagina-o vestido com uma estúpida camisola às riscas azuis e amarelas, uma camisola que tinha sido prenda de anos e era a sua preferida. Mesmo assim tão novinho, imagina-o a roer as imbecis das unhas dos dedos. Os sapatos preferidos são Keds. A comida preferida, aquela porra das salsichas fritas.
Imagina um rapazinho sebento com cinto de segurança posto, sentado numa carrinha escolar ao lado da mamã depois do jantar. Só que está num carro da polícia parado à frente do motel deles e, por isso a mamã carrega no acelerador e continua a cem ou cento e dez quilómetros hora.
Isto é sobre um estúpido de um fuinhazinho que, podes ter a certeza, era o mais estúpido dos sabujinhos imbecis e choramingas que alguma vez existiu.
Um mariquinhas.
1ª Página do livro, Asfixia, de Chuck Palahniuk, Editorial notícias, 1ª edição Outubro de 2003.
Nota: Chuck Palahniuk emergiu nos anos noventa do século passado, como uma das vozes mais originais da moderna literatura americana. Nascido em Pasco, Washington, a 21 de Fevereiro de 1962, vive actualmente em Portland, Oregon, nos Estados Unidos. De descendência francesa e russa, Chuck Palahniuk teve uma vida mais insólita, que os personagens dos seus livros. Quando era adolescente o seu avô suicidou-se, após matar a mulher. Por sua vez, o seu foi assassinado juntamente com a namorada, pelo ex. marido desta. Estes acontecimentos trágicos serão um leit motiv, para o humor negro de Palahniuk, transversal em toda a sua obra. Licenciado pela Universidade de Oregon, tentou uma carreira jornalística, sem êxito. Como alternativa, foi sucessivamente artista rap, sem êxito, lutador, sem êxito e finalmente mecânico numa empresa de montagem de automóveis, sem êxito. A frustração nascida de um trabalho pouco atraente terá estado na origem do seu primeiro romance, Clube de Combate (1996). Com ele arrebatou vários prémios literários sendo o livro adaptado ao cinema por David Fincher, com Brad pitt, Edward Norton e Helena Bonham Carter nos principais papéis. O livro e o filme, criaram o culto Palahniuk. Seguiram-se, entre outros, títulos como Sobrevivente (1999), Monstros Invisíveis (1999), Asfixia (2001), Lullaby (2002).
Palahniuk denuncia com humor corrosivo a sociedade moderna, centrando a sua ironia, no consumo desenfreado e no excesso de informação. A capacidade de radiografar a sociedade actual, especialmente a americana, com uma prosa nua e crua, sem qualquer tipo de floreados, faz com que a cada edição de um novo livro, a legião de fãs da obra de Palahniuk, não pare de crescer.

Amnistia Internacional


Sign petition against death penalty.
Advertising Agency: Euro RSCG 4D, Warsaw, Poland
Creative Director: Piotr Malkiewicz
Art Director: Rafal Michalek, Czerepak
Copywriter: Anna Krolewicz

sábado, maio 17, 2008

Sábado


Algumas horas antes do nascer do dia, Henry Perowne, neurocirurgião, acorda e começa imediatamente a mexer-se: senta-se, afasta a roupa e depois põe-se de pé. Não é claro para ele em que momento ficou consciente, nem isso lhe parece relevante. Aquilo nunca lhe acontecera, mas não se sente alarmado nem sequer levemente surpreendido, pois o movimento é fácil, agradável para os seus membros, e sente uma força rara nas costas e nas pernas, Está de pé ao lado da cama, nu – dorme sempre nu -, consciente da sua altura, da respiração paciente da sua mulher e do ar frio do quarto na sua pele. Também essa sensação lhe dá prazer. Na mesa de cabeceira, o relógio mostra que são três e quarenta. Não faz a menor ideia do que está a fazer fora da cama: não precisa de ir à casa de banho, não foi perturbado por nenhum sonho nem por qualquer acontecimento do dia anterior, nem sequer pelo estado do mundo. É como se, ali de pá, na escuridão, se tivesse materializado do nada, inteiramente formado, sem qualquer limitação. Não se sente cansado, apesar da hora e do muito que tem trabalhado ultimamente, nem há qualquer caso recente que lhe perturbe a consciência. Na verdade, está bem desperto, com a cabeça vazia e inusitadamente alegre. Sem que isso corresponda a qualquer decisão ou motivação, começa a dirigir-se para a mais próxima das três janelas do quarto, e a facilidade e leveza com que caminha leva-o mais uma vez a suspeitar que está a dormir ou a ter um ataque de sonambulismo. Se for verdade, ficará desapontado. Os sonhos não lhe interessam; a possibilidade de tudo aquilo ser real é muito mais rica. Além disso, tem a certeza de que está absolutamente consciente e sabe que o sono já ficou para trás: reconhecer a diferença entre estar a dormir e acordado, reconhecer as fronteiras, é a essência da sanidade.
1ª Página do livro, Sábado, de Ian McEwan, Gradiva, 1ªedição Maio 2005.
O livro Sábado é a obra joyceana de Ian McEwan. A acção do livro decorre num único dia, Sábado, 15 de Fevereiro de 2003. Henry Perowne é um homem realizado — um neurocirurgião de sucesso, marido dedicado de Rosalind, uma advogada que trabalha num jornal, e pai orgulhoso de dois filhos já crescidos, uma promissora poetisa e um talentoso músico de blues. Ao contrário do que é habitual, acorda antes do nascer do dia, é atraído para a janela do seu quarto e dominado por uma sensação crescente de mal-estar. O que o perturba ao olhar para o céu é o estado do mundo — a guerra iminente com o Iraque, um pessimismo que não pára de crescer nele desde o 11 de Setembro, e o medo de que a sua feliz vida familiar e a sua cidade, com a abertura e diversidade que a caracterizam, estejam ameaçadas. Mais tarde, Perowne dirige-se para o seu jogo semanal de squash atravessando as ruas de Londres onde centenas de milhares de pessoas se manifestam contra a guerra. Um pequeno acidente de automóvel fá-lo entrar em confronto com Baxter, um jovem nervoso, agressivo, a raiar a violência. A experiência profissional de Perowne sugere-lhe que há qualquer coisa de profundamente errado naquele indivíduo. Quase ao fim de um dia repleto de incidentes, mas em que Perowne celebrou todos os prazeres da vida — música, comida, amor, a excitação do desporto e a satisfação de um trabalho bem feito — a sua família reúne-se para jantar. Mas, com o súbito aparecimento de Baxter, os receios iniciais de Perowne parecem prestes a materializar-se. Fonte:Gradiva
Ian McEwan nasceu a 21 de Junho de 1948 em Aldershot, Inglaterra mas passou grande parte da sua infância na Ásia, devido à profissão de militar exercida pelo pai. Estudou na Universidade de Sussex onde se licenciou em Literatura Inglesa. Posteriormente tirou um curso de escrita criativa com os escritores Malcolm Bradbury e Angie Wilson.
Começou a escrever contos no início da década de 1970 para publicações de índole literária, como a American Review e a Transatlantic Review. Em 1976, McEwan viu o seu talento reconhecido com a atribuição do prémio Somerset Maugham pelos oitos contos que compuseram a sua primeira obra: Primeiro Amor, Últimos Ritos. O autor ainda publicou mais um livro de contos, Entre os lençóis (1978), antes de iniciar a sua carreira como romancista.
As suas obras distinguem-se pelas sugestões sinistras ou macabras e pelos elementos de violência e sexualidade bizarra, como acontece nos contos de Primeiro Amor, Últimos Ritos (1975).
Da sua obra como romancista fazem parte os romances O Jardim de Cimento (1978), A Criança no Tempo (1987), O Inocente (1990), O Sonhador (1994), O Fardo do Amor (1997), Amesterdão (1998), Expiação (2001) e Sábado (2005) e Na Praia de Chesil (2007).
Em 1998, foi-lhe atribuído o Booker Prize pela obra Amesterdão, cuja acção se desenrola a partir da morte súbita de Molly Lane, fotógrafa profissional quadragenária. A sua escrita retrata os homens comuns, sem emoção, piedade ou julgamento.
Em 2001, foi lançado Expiação, um romance que fala do solitário ofício de imaginação da escrita e que foi distinguido pelo The National Book Critics Circle com o prémio de melhor livro de ficção de 2002.
Em 2005 editou Sábado e dois anos depois, foi novamente finalista do Booker Prize, a sua quinta vez, com o romance "Na Praia de Chesil", acabando por perder o galardão para a escritora irlandesa Anne Enright.

Amnistia Internacional

Advertising Agency: Unitas/RNL, Santiago, Chile
Creative Director / Art Director / Copywriter: Pancho González
Illustrator / Photographer: Josefina Pro

quarta-feira, maio 14, 2008

O Triunfo dos Porcos


O Sr. Jones, da Quinta Manor, tinha trancado os galinheiros, mas estava demasiado bêbado para se lembrar de fechar os postigos. Como o círculo de luz da lanterna dançando de um lado para o outro, atravessou o pátio aos tombos, livrou-se das botas na porta das traseiras, serviu-se de um último copo de cerveja do barril da copa e subiu para o quarto, onde a Srª Jones já ressonava.
Assim que a luz do quarto se apagou, houve agitação e alvoroço em todas as divisões da quinta. Constara, durante o dia, que o velho Major, o premiado porco “Middle White”, tivera um estranho sonho na noite anterior e desejava transmiti-lo aos outros animais. Ficara acordado reunirem-se todos no celeiro grande, logo que estivessem livres do Sr. Jones. O velho Major (como sempre lhe chamavam, embora o nome com que fora exibido fosse Beleza de Willingdon) era tão respeitado na quinta que todos estavam dispostos a perder uma hora de sono para ouvirem o que ele tinha a dizer.
1ª Página do livro, O Triunfo dos Porcos, de George Orwell, Publicações Europa-América, 2ª edição.
Nota. Publicado pela primeira vez em 1945, O Triunfo dos Porcos, é um livro sempre actual. O mandamento, Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que outros, não podia ser mais actual.

Frank Sinatra


Há 10 anos, o mundo perdia A Voz. A lenda de olhos azuis, partia cansado desta vida. Como uma vez disse, "Só se vive uma vez. E da maneira que eu vivo, uma vez basta."
Francis Albert Sinatra, nasceu em 12 de Dezembro de 1915 no estado de Nova Jérsia, Estados Unidos. Frank era filho único e nunca estudou música. Autodidacta, abandonou o último ano do liceu para começar a cantar.
O mito Sinatra começou em 1939 com a gravação de “All or Nothing All” e terminou cinco décadas e mais de 1450 canções depois. Com uma veia artística fora do comum, o cantor foi também actor com méritos firmados sendo protagonista em cerca de 50 filmes até meados da década de 60.
Juntamente com Dean Martin, Sammy Davis Jr, Peter Lawford, Joey Bishop, mais a mascote Shirley MacLaine, Frank Sinatra formou o célebre “Rat Pack”, grupo de artistas que fez muito sucesso nos palcos e no cinema nesta época.
O seu talento para o show business foi duplamente reconhecido: ele tem duas estrelas no Hall of Fame em Hollywood, uma pelo seu desempenho musical e outra pela seu desempenho como actor.
Na vida pessoal foi um homem misterioso, sendo amiúde conectado à máfia nova-iorquina. Teve diversos casamentos, primeiro com Nancy Barbato, e depois com as actrizes Ava Gardner e Mia Farrow, e finalmente com Bárbara Marx com quem viveu até ao fim dos seus dias.
A sua voz aveludada conquistou milhares de admiradores de diversas gerações, fazendo com que mesmo quem não conhece Frank Sinatra, provavelmente conhece as músicas dele, como por exemplo, “Strangers in the night”, “ New York, New York”, ou”My Way”.
Frank Sinatra terminou a sua carreira de cantor em 1995, quando contava oitenta anos de idade. Morreu em Los Angeles, a 14 de Maio de 1998, de ataque cardíaco. Frank Sinatra deixou uma obra incomparável e é frequentemente considerado o melhor cantor popular de todos os tempos.

terça-feira, maio 13, 2008

Comentário aos Comentários


Muitos comentadores, devem pensar que a única razão de eu ter um blog, são os comentários. Por isso, não perdem a oportunidade de gastar o seu precioso tempo, a escrever não-importa-o-quê, na caixa de comentários.
Sou incapaz de conceber um blog sem comentários e no dia em que um texto meu, tiver menos de vinte comentários, este blog acaba. É melhor esquecerem a piada dos vinte comentários.
Ler os comentários é um exercício intelectual incomparável e são resmas deles, contando-se às dúzias, os exemplos de excelentes comentários, que serviriam para ilustrar o post, por isso vou citar, apenas, alguns:
-LOL...
-Bom post!
-Continua o excelente trabalho!
-Comunistas!!!
-Parabéns, excelente blogue!
-Blogue de merda!!!!
-Fascista!!!...
-Gostei de te ler...!
-Não escreves um C....!
Depois há os comentários mais elaborados, culturalmente mais relevantes e mais ridículos , com um total desconhecimento de quem sou:
-Se fosse com o teu FC Porto, não falavas assim!
-Um beijo com sabor a pêssego acabado de colher...
-Se fosse com o Paulo Portas, não escrevias isto...
-Portista reles!...
-Pois, pois...Um poster com o pinto da costa é que era bão!
Este último comentário, foi a gota que fez transbordar o tanque e que me deu a motivação para, finalmente, escrever este post.
Que dizer de um comentário destes?
Uma das coisas que têm em comum estes comentários, é que acabam sempre ou com reticências ou com um ponto de exclamação e são assinados por uma cáfila que prolifera na blogosfera de nome Anonymous.
Contudo, estes dromedários, são conscientes no ponto, de considerar ultrajante para eles, assinar aquilo que escrevem. Têm razão e deviam ter vergonha. Quanto às reticências, pode-se compreender a sua utilização, pois como normalmente não dizem nada no seu comentário, eventualmente quererão dizer, que vão continuar a nada dizer, num-outro-blog-qualquer. Agora, o ponto de exclamação faz-me espécie: será que ficam admirados com a qualidade do seu comentário ou será que ficam espantados com a parvoíce do que escrevem?
Meus amigos, se não são capazes de no mínimo estruturar uma ideia, por favor, não poluam a caixa de comentários.
Um dia destes, escrevi um comentário, num blog em que sou visita frequente, e como ele têm muito a ver com aquilo que eu vos quero transmitir, fica mais ou menos aqui, o que lá escrevi.
Antes de fazer, qualquer comentário, a maioria das pessoas, deveria conhecer o principal ensinamento de Wittgenstein, que é, se não sabe falar de uma coisa, cale-se, que é como quem diz, se não sabe escrever, não se dê ao trabalho de o fazer.
Hoje é frequente dizer-se, e por isso a qualidade da crítica e dos comentários é cada vez pior, que todas as opiniões são respeitáveis. Sobre isso li há um ou dois anos atrás, o livro “Os Dez Mandamentos do Século XXI”, do filósofo espanhol Fernando Savater, no qual ele escrevia, as palavras são minhas, que é um absoluto disparate, dizer-se que todas as opiniões são respeitáveis. São as pessoas e não as crenças, que são respeitáveis, porque senão, a humanidade não teria podido dar um único passo em frente. Isto como é óbvio, deve-se aplicar, neste caso, aos comentários.
Mas a falta de qualidade da crítica e dos comentários pode também ser devido ao facto, como escreveu Pino Aprile de “o homem moderno viver para estupidificar”. Este jornalista italiano, depois de ter feito uma entrevista a Konrad Lorenz, teve a ideia de escrever um livro, a que chamou, “O Elogio do Imbecil”.
Conclui Pino Aprile no seu livro, que os inteligentes construíram o mundo, mas quem desfruta dele são os imbecis.
Pelos muitos comentários que li ao longo destes quase quatro anos de blogger, estou inclinado a dar razão a Pino Aprile.

Aung San Suu Kyi


A líder da oposição birmanesa, Aung San Suu Kyi, foi distinguida com o Prémio Internacional Catalunha, que distingue personalidades que contribuíram para o desenvolvimento de valores culturais, artísticos, científicos e humanos.
Partilha o prémio com Suu Kyi a médica birmanesa Cynthia Maung, que dirige um hospital na fronteira tailandesa, de onde saem as equipas médicas que atendem pacientes no interior de Birmânia.
Eram também candidatos ao galardão, este ano na sua vigésima edição e com uma dotação de 100 mil euros, os escritores José Saramago, Haruki Murakami e Tahar Ben Jelloun e o arquitecto Óscar Niemeyer.
Suu Kyi dirige a oposicionista Liga Nacional para a Democracia, partido que, em 1990, ganhou as eleições por maioria absoluta. O governo militar birmanês nunca reconheceu esta vitória e mantém uma apertada vigilância sobre Suu Kyi, que nunca aceitou o exílio proposto pelos militares em troca do seu silêncio.
O presidente do Governo catalão, José Montilla, entregará o galardão, uma escultura (“A chave e a letra”) de António Tàpies, numa cerimónia a realizar em Novembro.Lusa.

segunda-feira, maio 12, 2008

Os Filhos da Meia-Noite


Nasci na cidade de Bombaim…um certo dia. Não, não pode ser assim. A data exacta. Nasci na maternidade do Dr. Narlikar no dia 15 de Agosto de 1947. Horas? A hora também é importante. Pois seja: foi de noite. Não, procuremos ser mais…Foi exactamente ao bater da meia-noite. Os ponteiros do relógio uniram as palmas das mãos para me cumprimentarem respeitosamente e me darem as boas-vindas. Há que dizer tudo: fui dado à luz no exacto momento em que a Índia se tornava independente. Continha-se a respiração. Do lado de fora da janela misturava-se o estralejar do fogo-de-artifício com a algazarra da multidão. Poucos segundos depois, o meu pai fracturou o dedo grande do pé; acidente insignificante em comparação com aquilo que me acontecia a mim naquele momento da noite; graças à tirania oculta dos relógios delicadamente acolhedores, eu passava a estar misteriosamente ligado à história e o meu destino indissoluvelmente unido ao meu país. Durante as três décadas seguintes, ser-me-ia impossível escapar. A minha chegada tinha sido profetizada pelos adivinhos, celebraram-na os jornais, os políticos ratificaram a minha autenticidade. Não me foi consentido qualquer voto na matéria. Eu, Saleem Sinai, mas tarde chamado também Muco-na-Penca, Cara-Manchada, Careca, Sorve-Ranho, Buda e até Pedaço-de-Lua, fiquei definitivamente comprometido com o destino…as mais das vezes perigosamente amarrado a esse compromisso. E nessas alturas não tinha quaisquer possibilidades de me assoar.
Entretanto, o tempo (uma vez que não sei o que fazer de mim) está agora a chegar ao seu termo. Completarei em breve trinta e um anos. Se calhar. Se este meu corpo velho e escangalhado o permitir. Mas não me restam grandes esperanças de me salvar, não tenho pela frente sequer mil noites e uma noite. Tenho de ser rápido, mais rápido do que Xerazade, e é se quero deixar claro o sentido… Sim, o sentido. Não há nada que eu receie mais do que o absurdo.
E tenho tantas, tantas histórias para contar, são tantas vidas acontecimentos milagres lugares rumores que se entrelaçam, é tal a mistura de improvável e de mundano! Fui um devorador de vidas e para me conhecerem, só a mim, vão ter de engolir outras tantas. Em mim se cruzam e entrechocam multidões desaparecidas. Guiado apenas pela recordação dum enorme lençol branco, com um buraco vagamente circular de sete polegadas de diâmetro aberto no meio, amarrado ao sonho desse pano furado e mutilado que é o meu talismã, o meu abre-te, Sésamo, vou ter de reconstituir a história da minha vida a partir do momento em que ela efectivamente começou, aí uns trinta e dois anos antes de uma coisa tão óbvia e tão presente como foi o meu nascimento badalado pelos relógios e marcado pelo crime.
(O dito lençol, diga-se de passagem, está também manchado por três gotas de um vermelho velho e desmaiado. Como diz o Alcorão: Proclama em nome do Senhor teu Criador que fez o homem de um coágulo de sangue.)
1ª Página do livro, Os Filhos da Meia-Noite, de Salman Rushdie, Editores Reunidos, 1994.
Nota: O romance “Os Filhos da Meia-Noite”, é o favorito a converter-se no melhor Prémio Booker da história deste galardão literário, que completa agora 40 anos e é o mais prestigioso do Reino Unido.
A lista de finalistas foi escolhida por um júri presidido pela biógrafa, romancista e crítica literária Victoria Glendinnir e composto pela escritora e apresentadora Mariella Frostrup e o catedrático John Mullan. O vencedor será anunciado a 10 de Julho, no marco do Festival de Literatura de Londres.
Os leitores têm até à meia-noite de 08 de Julho para votar,
na página web do prémio
, no melhor romance premiado com o Booker, concedido pela primeira vez em 22 de Abril de 1969.
Além do romance de Rushdie, premiado en 1981, figuram na lista de finalistas, agora divulgada, “The Ghost Road” (1995), de Pat Barker, “Óscar e Lucinda” (1988), de Peter Carey, “Desgraça” (1999), de JM Coetzee, “ O Conservador” (1974), de Nadine Gordimer, e “The Siege of Krishnapur” (1973), de JG Farrell.
Já quando se celebrou o vigésimo quinto aniversário do galardão, em 1993, o livro de Rushdie fora eleito o melhor “Booker Prize”. Hoje, 15 anos depois, as apostas na firma William Hill voltam a apontá-lo como favorito, seguido pelas obras Pat Barker, Peter Carey, JM Coetzee, Nadine Gordimer e JG Farrell.(Lusa).