sexta-feira, janeiro 25, 2008

Walt Disney


Walter Elias Disney nasceu em Chicago a 5 de Dezembro de 1901. Passou a maior parte de sua infância numa quinta em Marceline, no Missouri. Com 14 anos entrou para o Kansas City Art Institute e aos 16 foi voluntário da Cruz Vermelha em França, no final da Grande Guerra.
Em 1919, começou a trabalhar num estúdio, em Kansas, onde conheceu Ub Iwerks, um promissor artista que se tornaria o seu mais longo e fiel colaborador.
Em 1923, fundou o seu próprio estúdio em Hollywood e, juntamente com o seu irmão Roy e o colaborador Iwerks, começou a produzir uma série de animação em movimento intitulada Alice in Cartoonland.
Em 1927, a produção continuou com a criação de uma outra série de desenhos animados: Oswald the rabbit.
No ano seguinte, em 1928, nascia Mickey Mouse, ou Rato Mickey. Os dois primeiros cartoons eram mudos (Plane Crazy e Gallopin Gaucho), sendo o terceiro já sonorizado (Steamboat Willie). A voz do Rato Mickey era a do próprio Walt Disney que, encorajado pelo recente sistema sonoro, concebeu uma nova série — Silly Symphony, em que a acção dos desenhos animados era criada de forma a acompanhar a música (pré-gravada). O mais famoso cartoon desta série é The Three Little Pigs (1933). Em 1932, começou a produzir filmes coloridos e a utilizar a câmara multiplana, que permitia uma maior perspectiva e profundidade.
O sucesso de Mickey originou uma série de animais que se tornaram verdadeiras estrelas populares: Minnie, Pato Donald, Pateta e Pluto. Às curtas-metragens vieram juntar-se as grandes produções de desenhos animados (em longa-metragem), como Snow White and the Seven Dwarfs/A Branca de Neve e os Sete Anões (1938), Pinocchio/Pinóquio (1940) e Dumbo (1941), com um enorme sucesso em todo o mundo.
A ideia de que miúdos e adultos vivessem o mesmmo sonho toma corpo em1955, a Walt Disney inaugurou o seu primeiro parque de diversões — a Disneylândia, na Califórnia. O rápido sucesso alcançado leva-o a desenvolver um projecto ainda mais ambicioso: a criação de um verdadeiro universo de lazer, a que não chega assistir porque morre a 15 de Dezembro de 1966, em Los Angeles.
Mas o seu irmão Roy e a sua equipa agarram no sonho e abrem, em 1971, a Walt Disney World Resort na Florida, um conceito que em 1992 é exportado para a Europa com o Disneyland Paris.
Os estúdios Disney dedicaram-se igualmente à produção de filmes de pura acção como Treasure Islands (1950) e documentários sobre a natureza, como The Living Desert (1953). Produziram também longas-metragens reais, com figuras humanas, entre as quais The Swiss Family Robinson/A Família Robinson (1960) e a famosa Mary Poppins (1964).
Em 1961, a figura de Walt Disney tornou-se familiar para milhões de pessoas através das primeiras séries televisivas a cores, que o próprio apresentava no início de cada sessão. Muitos filmes se seguiram tais como os famosos A Pequena Sereia, A Bela e o Monstro, Anastasia, Alladino, Robin Hood, Rei Leão, Hercules, Pocahontas, Mulan e Tarzan.

1 comentário:

J. G. Fajardo - Pintor e Desenhista Hiperrealista disse...

A diferença que fez diferença. Walt Disney por J G Fajardo

Walter Elias Disney foi um sonhador, um homem que olhava a vida de uma maneira diferenciada. Essa diferença fez a diferença. De sua percepção surgiu um mundo enternecedor, possível, encantor e mágico. Walt mostrou que sonhar dá certo, faz bem ao bolso, pois o lúdico bem trabalhado fecunda as mentes, e essas sensibilizadas desembolsam prazerosamente milhões. Disney se encantou com a essência, com os quatro elementos, com a natureza, com o vento que sacudia galhos para expor entranhas que contém segredos. Das árvores. Dos bosques. Das florestas. Dos riachos. Dos bichos... Disney os conheceu bem de perto, senão, suas representações em desenhos animados não seriam caprichosamente exibidas. Walter Elias Disney foi um sonhador, um homem pragmático que captou facilmente a verdade de que, o melhor remédio para neutralizar efeitos da mediocridade, é oferecer doses saborosas do elixir da vida: imaginação. Imaginação é tudo, é a prévia das próximas atrações da vida, segundo Einstein. Uma imaginação bem trabalhada e elevada seduz, faz milagres e pode curar. Até burrices.

J. G. Fajardo
pintor de retratos e afins, professor de atelier