terça-feira, fevereiro 01, 2005

Morte das Ideologias



Só mesmo um psiquiatra para explicar, este "reality show" que chegou a campanha eleitoral. Sem política e sem ideologia, esta campanha eleitoral apenas versa as pessoas, com tricas personalizadas e com críticas destrutivas como único argumento. Veja -se Santana Lopes no comício de Braga, apregoar referindo-se a José Socrates " o outro candidato tem outros colos. Estes colos sabem bem", rodeado de mil mulheres. Se não houver uma inflexão no discursos dos líderes partidários, teremos de escolher no próximo dia 20 de Fevereiro o próximo primeiro-ministro, não pela sua qualidade como político e pelas suas políticas, mas sim pela cor dos olhos, pelo seu penteado, pelo seu corpo, pelo seu tom de voz ou pelo sentido de humor. A incoerência e a campanha negativista chegou ao limite do racional. A retórica política encheu-se de meras palavras ou slogans- choque de valores, choque tecnológico, choque de gestão, choque fiscal, competência, responsabilidade, utilidade, mudança, mérito , desafio- usados tanto pela esquerda como pela direita, na sua ânsia de conquistar o eleitorado.
Os políticos tentam todos os dias convencer-nos que o tempo das ideologias acabou, mas se as ideologias acabaram, o que é a política?
Uma simples gestão da administração pública?
Para isso contrate-se, os melhores gestores portugueses, e deixem o combate político para os filósofos. Que a política morra!

10 comentários:

Anónimo disse...

Este é o retrato do pais real...da demagogia, do nonsense...sei lá mais do quê...é frustrante...desesperante olhar para os politicos, os candidatos e venha o diabo e escolha, que o zé povinho já não sabe o que fazer. Angelis (http://pedevento2004.blogs.sapo.pt)

francis disse...

post 5 estrelas!!!

Angela disse...

QUE MORRA! QUE MORRA!
(Não faz cá falta nenhuma)

Pedro disse...

Realmente, se a política se resume a uma mera gestão da loja, então mais vale contratar um Richard Branson! Eu não acredito, ou não quero acreditar, que a ideologia tenha desaparecido. Acho antes que os actuais líderes políticos é que não têm nada a ver com as ideologias dos partidos. Sobretudo quando se fala dos dois maiores partidos. Aquilo não são políticos nem são nada, não são sociais-democratas nem socialistas, são socialites! Por outro lado, as velhas ideologias já não (cor)respondem ao mundo de hoje. Morra a política! Nasça uma nova... Pessoalmente tenho indentificado-me com as propostas do Bloco, pois parecem-me em sintonia com os novos fóruns internacionais, e não com livros poeirentos. Mas não vou fazer campanha no blog dos outros :) Abraço

PF disse...

A ideologia faz muita confusão aos que não a têm, aos que têm medo de dizer qual é e aos que não sabem o que isso é.

polittikus disse...

O século XX foi o século das ideologias... O século XXI será concerteza a morte das ideologias...

peciscas disse...

Pois é, Armando: também me refiro a esse assunto lá no meu canto. É preciso começar a tapar o nariz...

LS disse...

Ainda hoje (ontem) em editorial do jornal de Negócios o Sérgio Figueiredo falava (e bem) dos perigos de se encarar a coisa pública como uma empresa. As ideologias são, afinal, a essência da política.

mfc disse...

O Pedrinho está à redea solta... e depois dá nisto!
Não haverá ninguém com bom senso no Psd que lhe diga que pare??!

Ricardo disse...

Eu ainda quero acreditar que o fenómeno Santana vai ser como um OVNI que passou na nossa política e que vamos voltar à nossa normalidade política! Não que defenda que os nossos políticos são bons ou maus, simplesmente Santana não deve ser deste mundo!